sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Justificativas de FANTASIA - Grupo de Acesso

Capão foi destaque em fantasia - Foto: Evandro Oliveira, PMPA

ACADÊMICOS DA ORGIA (9.8 / 9.7) Paulo Filandro — A entidade por meio de suas fantasias atendeu aos requisitos concepção, adequação. Foi observada ausência ou inversão no organograma da ala 06 (Os negros escravos trazidos de além-mar). Na ala 12, velha guarda, componentes de tênis de cores em preto e branco quebrando a uniformidade que a escola manteve durante todo o seu desfile.
Heloísa Dias — Fantasias em harmonia de cores, com propriedade e efeito. Ausência da ala 6 prejudicando em parte a leitura do tema. (Ala nº 6 “Os Negros Escravos Trazidos do Além-Mar” criação artística dentro da proposta temática).

REALEZA (9 / 9) Paulo Filandro
— A entidade apresentou suas alas totalmente desconectadas do organograma, dificultando o entendimento do enredo com agravante de fantasias que mesmo considerando questões de subjetividade não atenderam aos aspectos concepção e adequação.
Heloísa Dias — As fantasias estavam mal confeccionadas, sem acabamento, algumas até incompletas. Havia componentes com sapatos diversos, de modelos e cores diferentes (tênis, sandálias, sapatilhas, etc). Não foi possível a leitura do enredo através das fantasias pela ausência de várias alas.

COPACABANA (10 / 9.9) Paulo Filandro — A entidade apresentou suas fantasias com ótimo acabamento, criando um belo espetáculo, distribuindo materiais e cores, possibilitando um visual de grande efeito. Atendeu a todos os requisitos para apresentação de seu enredo.
Heloísa Dias — Fantasias com harmonia e exploração de cores com variedade, efeito e tonalidade. Nas alas “O Muiraquitã” e “Água”, havia componentes com sapatos diversos (sapatilhas, alpargatas, sandálias de plástico).

UNIÃO DA TINGA (9/ 9) Paulo Filandro — A entidade apresentou fantasias sem criatividade, com problemas de acabamento e não fieis ao enredo proposto com agravante de problemas de uniformidade principalmente no que se refere a sapatos. Acredito em dificuldades em sua montagem, ficando explicito inversões no organograma, situação que dificultou leitura de sua indumentária.
Heloísa Dias — Ausência de chapéus e outros complementos na confecção das fantasias. Fantasias incompletas e mal acabadas e confeccionadas. Não houve concepção e propriedade nas fantasias. Ausência de alas para a leitura do enredo através das fantasias.

OS FILHOS DA CANDINHA (9.2 / 9) Paulo Filandro — A entidade apresentou problemas de uniformidade com relação aos tênis da comissão de frente. Na ala 1, um componentes sem chapéu. Ala 2, utilização de tênis, sapatos, sandálias, com agravante de falta de alas. Mesmo assim, foi possível fazer a leitura do enredo.
Heloísa Dias — As fantasias estavam mal confeccionadas, sem acabamento. Ausência de sapatos, chapéus, adereços e outros componentes. A concepção das fantasias prejudicou no todo a leitura das etapas previstas no organograma concebido pela escola. Sapatos de cores e modelos diversos.

UNIDOS DO CAPÃO (10 / 10) Paulo Filandro — A entidade, por meio de suas fantasias, apresentou seu enredo com concepção e adequação, uniformidade, fazendo uma ótima distribuição de cores, havendo fácil compreensão.
Heloísa Dias — Fantasias em harmonia de cores, efeito e propriedade. Explorou bem as cores, caracterizando bem a região mencionada no tema. Facilidade da leitura do enredo plenamente. Atingiu os objetivos do quesito em sua totalidade.

APITO DE OURO (9.7 / 9.7) Paulo Filandro — A entidade apresentou seu enredo de forma limitada, principalmente nos aspectos criatividade. Ficou evidente inversão no organograma e alas que na sua indumentária expressaram uma demasiada subjetividade.
Heloísa Dias — Fantasias bem confeccionadas e com acabamento. Ausência da ala nº 4 (lendas) prejudicando em parte a leitura do enredo através das fantasias.

Nenhum comentário: