sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Na Arquibancada: a vida é um jogo!


Vivendo e aprendendo a jogar 

Quando o compositor Guilherme Arantes escreveu a música "Vivendo e aprendendo a jogar", certamente não estava pensando, exclusivamente, nas práticas culturais, esportivas, recreativas, brincadeiras ou alguma atividade de lazer. Acredito que o moço pensava na vida e nas coisas que a cercam.

Segundo o pesquisador Nelson da Nóbrega Fernandes, em seu artigo “O Carnaval e modernização do Rio de Janeiro”, o desenvolvimento das festividades carnavalescas e festas de momo iniciou na Cidade Maravilhosa entre a segunda metade do século XIX e a década de 1920. Ao longo desse período, surgiram, evoluíram, persistiram e também se extinguiram várias formas do Carnaval. Essa diversidade festiva resultou de expressões de vários segmentos, grupos e classes sociais da cidade... quando o Carnaval foi constituído pelo entrudo, grandes sociedades, ranchos, blocos e cordões, Zé Pereira, grupos de mascarados e do corso, que se exibiam nas ruas; ou ainda dos bailes em teatros e clubes. 

Conforme o pesquisador,  "o entrudo é antigo jogo carnavalesco de origem ibérica trazida ao Brasil pelos portugueses... as brincadeiras consistiam em lançar água, líquidos diversos, farinha e outras substâncias nas pessoas". Prestem atenção: no início de toda a função, a coisa era JOGO, BRINCADEIRA e por aí vai.

Em 1982, no Carnaval de Porto Alegre, a escola Império da Zona Norte desfilou com o tema Cassino da Urca, sagrando-se campeã naquele ano. Aliás, roleta, bingo, corrida de cavalos, jogo do osso e outros menos votados são considerados jogos de azar. Azar?? Para quem perde, logicamente! No Carnaval de 2014, a União da Ilha do Governador, a simpática tricolor do Rio, virá com o tema abordando jogos de infância, falando de brincadeiras, bonecos, cores e fantasias juvenis. Para muitos um verdadeiro resgate ao sonho e a fantasia.

Comecei falando na vida e concluo falando nela. Sim, a VIDA é um jogo. De padel e não de tênis, onde tudo é muito rápido e o que desejamos a nossos semelhantes, certamente retorna na nossa direção com uma força maior ainda. Mais jogo? Simples. A vida deve ser encarada ainda como um jogo de xadrez, onde ao final todos rumam para a mesma caixa. Reis, rainhas, cavalos, peões...

Então, como era mesmo a música?? Nem sempre ganhando, nem sempre perdendo, mas aprendendo a jogar. Simples. Vida longa ao Carnaval, ao jogo e ao respeito aos competidores. Voltei para a arquibancada.

Ia esquecendo: Todos os domingos, das 13h às 15h, e nas quartas feiras, a partir da meia-noite, programa Armazém do seu Brasil, na www.radioestacaoweb.com Vamos???

Um comentário:

jorge jr disse...

o tema de 1982 citado foi da restinga e nao do império da zona norte...